“O mais acirrado ateu ou cético materialista é crente”, afirma arqueólogo

Apontada por muitos como um sentimento intelectual exclusivo dos religiosos e crentes, a fé é, na verdade algo inerente ao ser humano e independe de qualquer religião. A afirmação é do arqueólogo Rodrigo Silva, que explicou como as crenças perpassam todos os grupos sociais, de cristãos a ateus passando pelos materialistas convictos.

“O mais acirrado ateu ou cético materialista é crente. Só que com o passar do tempo a palavra sofreu alguma semântica e entendemos como crente apenas aquele que tem uma religião, que vai para uma igreja ou crê em Deus. Mas eu repito: crença é um sentimento humano. A necessidade de crer é tão humana que deveria constar na pirâmide de Maslow”, diz, a respeito de inserir a fé entre as necessidades básicas do ser humano na conhecida classificação das necessidades elaborada pelo psicólogo norte-americano Abraham Maslow.

“Quando eu digo: leve um guarda-chuva pois a previsão meteorológica diz que vai chover, estou manifestando uma crença”, explica, e continua: “Se eu leio um artigo de pesquisa científica de um colega, e utilizo as conclusões que ele chegou para citar em sala de aula, nada me impede de fazer, mas eu mesmo não fiz aquela pesquisa. É uma fé. E se ele mentiu naquela pesquisa, compreende?”, esclarece. “Todos precisamos crer em alguma coisa”, conclui.

Segundo o acadêmico, o único elemento necessário para a crença nos milagres bíblicos é a crença em Deus. Segundo ele, muitos dos que duvidam dos fatos bíblicos crêem em um Deus Todo Poderoso, mas apesar disso acham impossível a ocorrência de alguns fatos relatados nas Escrituras. “O que vai diferenciar é o objeto da fé e se essa fé é racional ou ilusória.”

Para ele, o fato de existirem passagens na Bíblia – como a abertura do Mar Vermelho e a queda das muralhas de Jericó – aparentemente surreais, não justifica que sejam tachadas de mentirosas. “O fato de não sabermos como se deu determinado episódio não significa que não existiu. Vemos hoje em dia fatos bem inusitados e estranhos mas que acontecem e estão documentados e ninguém nega sua existência.”

Limitações

Para Silva, é necessário observar que a ciência possui suas próprias limitações. “Temos outros saberes, outros argumentos, para que eu possa falar com você que eu acredito que Deus criou o mundo, mesmo que isso não consiga passar pela ciência.”

Para ele, o problema se encontra quando a ciência se arroga n’o direito de deter todo o conhecimento. “Quando a ciência quer se arvorar como senhora de todos os saberes, da verdade, aí realmente eu estou numa saia justa. Em outras palavras: eu nunca poderia afirmar que o homem vai à lua se o único meio de transporte aceitável para voar fosse o avião”.

Para o estudioso, o embate entre ciência e religião vai se aprofundar. “Acredito que estamos vivendo um grande conflito entre as forças do bem e do mal. Muito do que acontece no palco da história é apenas um reflexo do que acontece no plano espiritual”.

“Quando você está vendo o embate cada vez mais ferrenho entre o criacionismo e o evolucionismo, pelos olhos da fé vejo anjos do Bem e do Mal lutando pelas mentes das pessoas. Se a profecia bíblica estiver correta, eu creio que a tendência é piorar.”

E faz uma ressalva: “O problema é aqueles que querem transitar nos dois mundos, achando que a ambivalência poderá salvá-los no dia do Juízo Final. Tem muitos dos dois lados querendo acender literalmente uma vela pra Deus e outra pro diabo”, adverte.

Veja Também:

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: