Benny Hinn confessa que foi “longe demais” com pregação da teologia da prosperidade: “Não é a Bíblia”

Benny Hinn Training for Ministry Conference

A morte do veterano evangelista Billy Graham parece ter gerado uma necessidade de reflexão por parte do polêmico televangelista Benny Hinn, que gravou um vídeo fazendo um autoexame sobre todos os anos em que se dedicou a pregar a teologia da prosperidade.

Benny Hinn confessou que se deixou levar e errou ao enfatizar os bens materiais em suas pregações: “Nós somos criticados por pregar a prosperidade. Bem, está na Bíblia, mas acho que alguns chegaram ao extremo com isso, infelizmente, e não é a Palavra de Deus o que é ensinado, e acho que eu sou tão culpado quanto os outros. Às vezes, você vai um pouco mais longe do que você realmente precisa ir e então Deus o traz de volta à normalidade e à realidade “, disse Hinn, 65 anos.

A reflexão foi compartilhada com o público através de uma live no Facebook, enquanto Hinn conversava com seus seguidores a respeito do legado de Billy Graham, de acordo com informações do portal The Christian Post.

O pregador da teologia da prosperidade afirmou que, conforme envelheceu, passou a compreender a Bíblia de forma mais ampla e profunda, e percebeu que algumas das coisas que ele aprendeu com os pregadores que ouvia quando era mais novo não são bíblicas e a interpretação popular do teologia da prosperidade – que prega a conquista de bens materiais e saúde através do pagamento de dízimos e ofertas – é um desses erros.

“Quanto mais você conhece a Bíblia, mais você se torna biblicamente baseado e mais equilibrado em suas opiniões e seus pensamentos porque somos influenciados. Quando eu era mais novo, fui influenciado pelos pregadores que ensinavam o que ensinavam. Mas, enquanto envelheci, penso: espere um minuto, você sabe que isso não se encaixa totalmente com a Bíblia e não se encaixa na realidade”, afirmou Hinn.

Mais à frente, Benny Hinn ponderou que há na Bíblia passagens sobre prosperidade, mas não da forma como ele mesmo pregou ao longo de décadas. “O profeta Elias tinha um carro? Não. Nem sequer tinha uma bicicleta. Ele não passou necessidade […] Jesus dirigiu um carro ou vivia em uma mansão? Não. [Também] não careceu. E os apóstolos? Nenhum deles sofreu carência”, disse Hinn. “Hoje, a ideia é abundância e casas palacianas e carros e contas bancárias. O foco está errado. Está muito errado”, acrescentou.

Ele disse que apesar de ter sido acusado de viver nababescamente e pilotar jatos particulares no passado, mas não é assim que ele vive atualmente: “Eu quero dizer, me perdoe. As pessoas me acusaram de coisas que nem sequer são reais. Um cara escreveu um comentário: ‘Ah ele vale 40 milhões’. Ah, como eu gostaria. Eu daria tudo ao Reino diante de Deus Todo-Poderoso”, afirmou.

“Bem, ele voa em jatos particulares”, disse Benny Hinn, repetindo críticas feitas a ele. “Não, eu não voo. Eu não voei em aviões particulares nos queridos anos [a serviço] de Deus. Eu vôo [em aviões] comerciais como qualquer outra pessoa”, defendeu-se.

“Nós, infelizmente, cometemos o erro de pensar que isso é o que Deus quer e Deus diz: ‘Não, isso não é o que eu quero’. É hora de viver biblicamente. Você sabe que tudo se resume a uma coisa. Nós amamos Jesus, sim ou não? Se amarmos Jesus, é tudo sobre Jesus. Se não amamos a Jesus, trata-se de outras coisas”, salientou.

Hinn foi um dos seis televangelistas que foram investigados pelo Senado dos EUA em 2007, durante um inquérito que levantou questões sobre o uso pessoal de aviões de propriedade da igreja, casas de luxo e cartões de crédito por pastores e suas famílias. Os parlamentares expressaram preocupação com a falta de fiscalização das finanças pelos conselhos das igrejas e muitas vezes repleto de parentes e amigos dos televangelistas.

Ao longo das investigações, não se conseguiu provas definitivas de irregularidades. Os ministérios de Benny Hinn e Joyce Meyer foram os únicos dois ministérios que colaboraram plenamente com a investigação e até implementaram reformas financeiras, segundo informações do portal Urban Christian News.

Hinn, que nasceu em uma família cristã em Israel, tem sido repetidamente acusado de ser uma fraude e criticado por ter vivido de forma extravagante durante sua longa liderança de um ministério que arrecadou, por muito tempo, mais de US$ 100 milhões anualmente.

Veja Também:

Veja Também

Faculdade oferecerá curso de “teologia gay”, promovendo “abordagem inclusiva” da Bíblia

Uma das faculdades mais elitistas dos Estados Unidos vai oferecer este ano um curso chamada ...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: