A ONU pode fazer do aborto um “direito fundamental”

O Comitê de Direitos Humanos da ONU, que promove no mundo todo a agenda da ideologia do gênero e os chamados “direitos reprodutivos”, está tentando alterar o Pacto Internacional Sobre Direitos Civis e Políticos. O objetivo desta modificação é excluir os seres humanos não nascidos e doentes terminais da afirmação de que “todo ser humano tem o direito inerente à vida”.

Promulgado em 1966, o artigo 6º do Pacto Internacional diz: “O direito à vida é inerente à pessoa humana. Esse direito deverá ser protegido pela lei”.

Caso as mudanças propostas agora forem implementadas, a nova versão do artigo 6 incluiria a exigência de que os países garantam o acesso seguro ao aborto. Anteriormente, havia menções no documento que abordavam especificamente a necessidade de se proteger os fetos, mas no ano passado, o Comitê de Direitos Humanos da ONU, presidido pela Arábia Saudita, decidiu omitir estas referências.

“Não pareceu necessário fazer referências ao direito à vida dos fetos”, afirmou um membro do Comitê na época.

No entanto, é público que parte do Comitê de Direitos Humanos não só busca reconhecer o aborto como um direito fundamental, mas também aspira fazer o mesmo com a eutanásia. A proposta justificaria a eutanásia no caso de “pessoas mortalmente feridas e doentes terminais”, que poderiam “morrer com dignidade”.

Forte oposição

A possibilidade de alteração no artigo 6 do Pacto Internacional obteve a rejeição dos governos dos Estados Unidos, Rússia, Polônia, Austrália, Egito e Malta – entre outros – e de importantes organizações não governamentais.

Apesar da forte oposição, há casos onde decisões na ONU foram tomadas ignorando o desejo da maioria e baseando-se apenas nos pareceres de comissões. Os governos que promovem o aborto também se manifestaram. Suécia e Finlândia apoiaram o direito de acesso ao “aborto seguro”.

A Holanda insiste na questão da eutanásia, dizendo que o suicídio assistido não deve ser limitado aos pacientes com doença terminal. Já França e Alemanha apoiaram o aborto, mas não o suicídio assistido.

A Polônia, cujo governo expressou repetidamente seu firme compromisso com a defesa do direito à vida, recordou que o referido pacto “deve proteger a vida de todo ser humano em todas as fases do seu desenvolvimento e que a dignidade inviolável de uma pessoa começa no primeiro momento de sua existência”.

Uma declaração contundente cujo espírito inspirou o Executivo dos EUA, que declarou que “as questões relativas ao aborto estão fora do alcance do Comitê de Direitos Humanos da ONU”.

O Centro Europeu de Direito e Justiça (ECLJ) emitiu uma declaração onde acusa o comitê de “tentar impor a legalização do aborto e da eutanásia contra a vontade dos estados” e “promover abertamente o suicídio assistido”.

Em setembro, o ECLJ fez uma “intervenção oral” na ONU contra a proposta. “É absurdo e inaceitável tirar do direito à vida” e que “este é o protesto mais incisivo contra a ONU que já fizemos para defender a vida “, afirmou a nota à imprensa do Centro Europeu. 

Com informações Life Site News

Veja Também:

Veja Também

Com suspeita de Alzheimer, pastor Márcio Valadão pede oração por sua saúde

Márcio Valadão, 70 anos, pastor da Igreja Batista da Lagoinha (IBL), revelou no último domingo, ...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: